Corpo de segunda vítima de desabamento no ABC paulista é encontrado - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas
  • Alagoas, de 2014
Brasil

Corpo de segunda vítima de desabamento no ABC paulista é encontrado

Patrícia Alves, enfermeira de 25 anos, foi encontrada nos escombros do prédio

G1 07 Fevereiro de 2012 - 21:06

Foto: Apu Gomes/Folhapress

Imagem interna do vão deixado pelo desabamento da lage

Imagem interna do vão deixado pelo desabamento da lage

Bombeiros encontraram por volta das 19h30 (horário de Brasília) desta terça-feira (7) o corpo da enfermeira Patrícia Alves, de 25 anos, nos escombros do prédio que desabou parcialmente na segunda (6), em São Bernardo do Campo, no ABC. A vítima foi retirada apenas às 20h20 e foi reconhecida por um parente.

Imagens feitas pelos bombeiros a pedido do Jornal Nacional mostram os estragos no interior de prédio.

Os pais da jovem acompanhavam o trabalho dos bombeiros e tinham esperanças de que a filha fosse encontrada viva. Ao receber a notícia da morte, o casal teve de ser amparado.

Na noite de segunda, o corpo de uma menina de 3 anos foi localizado pela corporação em meio aos destroços. Júlia Moraes estava com o pai na recepção de um consultório médico esperando pela mãe, que passava por uma consulta, quando o desabamento aconteceu. O pai da garota ficou ferido e está internado. A mãe dela também sobreviveu. A vítima foi enterrada na tarde desta terça.

Outras seis pessoas ficaram levemente feridas, incluindo o pai de Júlia. Ele permanecia internado o Hospital São Bernardo na noite desta terça.

Os bombeiros descartaram a hipótese de haver mais vítimas. Porém, por precaução as buscas continuarão até que todo o entulho seja retirado. "Retiramos cerca de 300 toneladas de entulho. Faltam mais 20% aproximadamente", disse o tenente-coronel Roberto Rensi, do Corpo de Bombeiros.

Causas

Uma reforma na laje do último andar do prédio por conta de infiltração de água pode ter causado o desabamento parcial do edifício Senador. O reparo ocorreu no 13º andar, a cerca de dois metros de distância onde ocorreu a queda do bloco da laje, afirmou o delegado Victor Vasconcellos Lutti, do 1º Distrito Policial (DP) de São Bernardo do Campo.

"Foi feito um reparo [na laje] e esse reparo pareceu não ser conveniente, no sentido de não ter sido feito da forma como deveria ter sido. O profissional não usou a técnica correta", disse o delegado na tarde desta terça. Segundo Lutti, a obra ocorreu em um espaço onde ficavam guardados materiais do prédio. Policiais subiram até o último andar do edifício e checaram que tanto a obra quanto o vazamento existem no local.

A hipótese de problema com a obra surgiu após o depoimento de uma das três testemunhas ouvidas pelo delegado na noite de segunda-feira (6). A pessoa, que não foi identificada pelo delegado, afirmou ter ouvido comentários no edifício sobre o reparo e possíveis problemas há cerca de um ano.

"Não podemos afirmar hoje que foi isto ou aquilo, porque depende de um laudo técnico", disse Lutti. Ele afirmou que vai pedir a planta inicial do prédio para comparar eventuais mudanças no edifício. Uma nova varredura por indícios das causas do acidente vai ser feita depois que o prédio for desocupado. O delegado ressaltou ter solicitado perícia e registrado boletim de ocorrência do caso ainda na segunda-feira.

Também é possível que tenha havido fadiga de material, de acordo com o delegado. As hipóteses de queda da caixa d'água e de explosão estão descartadas, já que não há indícios de nenhuma das duas coisas. "Vamos trabalhar ainda no sentido de colher mais detalhes depois que tudo for tudo desocupado."

Ainda há risco de queda de pedaços de laje e entulho dentro do edifício, segundo o tenente Marcos Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros. Ele afirmou que blocos de concreto estão pendurados por pedaços de aço que dão sustentação aos andares do edifício. Cerca de 350 toneladas de entulho foram retiradas dos escombros por 50 caminhões.

Documentação

O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, disse na manhã desta terça-feira (7) que o prédio estava com toda sua documentação em ordem e, a princípio, não apresentava alterações estruturais.  “A documentação está toda em ordem. Tem licenciamento dos bombeiros, laudo de segurança e estabilidade do prédio, validade até julho desse ano. Do ponto de vista documental, está em ordem. O que precisa ser analisado é o que ocorreu de fato”, afirmou Marinho em visita ao local.

“Só a partir daí é possível dizer o que aconteceu, só um laudo técnico das áreas competentes, a própria Polícia Civil está trabalhando nesse sentido, nós também vamos trabalhar. Enquanto isso, o prédio está interditado totalmente, até para uma análise, para saber se está comprometido ou não está comprometido, para na eventualidade haver uma liberação para a recuperação.”

Segundo Marinho, o prédio era comercial, e começou a ser construído em 1972. A data da entrega do imóvel consta na Prefeitura como 1978. “Tudo com a documentação desde a sua origem e a manutenção das certificações, tudo em dia. Não há histórico de problemas.”

O prefeito de São Bernardo do Campo disse que ainda não é possível dizer se o prédio havia sofrido alguma alteração. “Se houve alguma construção irregular, não dá para se dizer, internamente.

Segundo o síndico não havia nenhuma movimentação, a não ser de pintura. Mas nada de mexer em paredes ou infraestrutura do prédio”, afirmou Marinho. O fornecimento de luz foi suspenso na região do prédio para o trabalho dos bombeiros. O corte também atingiu o prédio da Prefeitura, que fica próximo, e estava trabalhando com geradores.

Infográfico prédio São Bernardo 20h50 (Foto: Editoria de Arte/G1)

Comentários


  • Seja o primeiro a comentar.

    Escreva

    O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

    Você também pode nos ajudar a moderar comentários considerados ofensivos, difamatórios, impróprios e/ou que contenham palavras de baixo calão: para isso, envie um e-mail para denuncie@tribunahoje.com.

    Digite o código abaixo para enviar seu comentário.