Joaquim Barbosa é eleito presidente do STF - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas
  • Alagoas, de 2014
Política

Joaquim Barbosa é eleito presidente do STF

Relator do mensalão será o primeiro negro a presidir a Suprema Corte

G1 10 Outubro de 2012 - 15:20

Foto: Agência STF

Joaquim Barbosa, diante dos autos do mensalão

Joaquim Barbosa, diante dos autos do mensalão

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) elegeu na tarde desta quarta-feira (10) o ministro Joaquim Barbosa, relator do processo do mensalão, como novo presidente para um mandato de dois anos. Ele será o primeiro negro a ocupar o comando do tribunal e assumirá a vaga que será deixada por Ayres Britto, que se aposenta em novembro.

O vice-presidente da corte será o ministro Ricardo Lewandowski, revisor do processo do mensalão.

O resultado já era esperado, uma vez que a sucessão do comando segue a ordem da antiguidade; os ministros escolhem o mais antigo integrante do tribunal e o segundo mais antigo passa a ser o vice. O critério faz com que o atual vice sempre seja o próximo presidente. Aquele que termina o mandato vai para o fim da fila, para possibilitar a alternância.

A eleição ocorre antes do término do mandato de Britto, que se encerraria só em 2014, em razão da aposentadoria do atual presidente do tribunal. Ainda não há data exata para a posse de Joaquim Barbosa.

O resultado foi proferido pela ministra Rosa Weber, com menos tempo de corte. Segundo ela, Joaquim Barbosa recebeu nove votos contra um de Ricardo Lewandowski para o cargo de presidente.

Para a função de vice, Lewandowski recebeu nove votos contra um de Cármen Lúcia. A eleição foi rápida e ocorreu antes do início da sessão para o julgamento do processo do mensalão.

Homenagens

Ministro com mais tempo de Supremo, Celso de Mello discursou em homenagem a Joaquim Barbosa. Ele disse estar certo de que o presidente eleito agirá com “prudência” na chefia do Judiciário.

“Desejo todo o sucesso no desempenho das funções. Tenho certeza de que saberá, agindo com sabedoria, com prudência e com segurança enfrentar e superar os obstáculos que são tão comuns ao exercício da Suprema Corte do Brasil.”

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu a palavra para falar sobre a eleição de Joaquim Barbosa. Ele lembrou que Barbosa foi integrante do Ministério Público.

“É motivo de orgulho e de honra. Desejamos todo o sucesso à frente da Suprema Corte.”

O tricampeão brasileiro de Fórmula 1 Nelson Piquet veio acompanhar a eleição do ministro Joaquim Barbosa para a presidência do Supremo. O ex-piloto é amigo do relator do processo do mensalão. Piquet se sentou na primeira fileira de poltronas reservadas às defesas dos réus.

Ao falar em nome dos advogados, Roberto Caldas disse que o país está em “júbilo” com a eleição de Barbosa para a presidência do STF. “A nação encontra-se em júbilo com a eleição do ministro Joaquim Barbosa. Ao manter a tradição de eleição do mais antigo da corte, o Supremo Tribunal Federal terá no próximo presidente a sabedoria da condução do tribunal, pelos desígnios e desejos que a nossa nação espera do Supremo Tribunal Federal.”

Barbosa se disse honrado com a escolha de seu nome. "Gostaria de agradecer a todos os colegas pela confiança em eleger-me ao cargo de presidente da corte e também dizer da minha elevada honra em ser eleito e futuramente exercer a presidência da casa,” disse Barbosa.

Primeiro negro a comandar STF

Barbosa, atualmente com 58 anos, será o primeiro negro a presidir o Supremo. Ministro do STF desde 2003, nomeado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Barbosa atuou quase 20 anos como procurador do Ministério Público Federal.

Nascido em Paracatu, noroeste de Minas Gerais, Barbosa tem origem pobre. O pai, já falecido, era pedreiro e a mãe é dona de casa. Em Brasília, morou de favor na casa de parentes e estudou em escola pública. Trabalhou como faxineiro e como compositor gráfico no Senado Federal.

Manteve intensa vida acadêmica ao longo da carreira. É doutor e mestre em Direito Público pela Universidade de Paris. Também terminou mestrado em Direito e Estado da Universidade de Brasília. É professor licenciado da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Barbosa fala quatro idiomas: francês, inglês, alemão e italiano.

Como ministro do STF, ganhou notoriedade depois de ser sorteado o relator do mais complexo processo penal que já passou pela corte, o do mensalão, e é conhecido pelos embates acalorados com colegas de plenário.

Polêmicas

Em abril de 2009, protagonizou uma discussão com o ministro Gilmar Mendes, que é frequentemente lembrada. Disse que o colega tinha "capangas" no Mato Grosso. Recentemente, criticou o colega Marco Aurélio Mello, sugerindo que ele foi indicado somente pelo parentesco com o ex-presidente Fernando Collor de Mello. Também acusou o revisor do processo do mensalão, Ricardo Lewandowski, de fazer "vista grossa" para as provas dos autos.

Ao contrário de outros magistrados, Joaquim Barbosa não costuma receber advogados dos processos nos quais atua.

Nos últimos anos, passou a ter problemas em razão de uma inflamação na base da coluna e chegou a tirar diversas licenças. Durante os julgamentos, costuma levantar e se ausentar do plenário para sessões de fisioterapia.

Comentários


  • Pois é, senhor Geraldo. Não tenho a dádiva de ter, ainda, meus 83 anos, mas como o senhor, também tenho observado o comportamento de ilustre ministro. É uma honra tê-lo como presidente. Finalmente uma notícia boa em meio ao nosso pau de galinheiro, que é o Poder Judiciário em nosso País.

    Walter Klaus Gerhard em 10/10/2012 as 22:05

    Tenho 83 anos, sou portador de algumas experiências pelo tempo de vida, uma das experiências é observar certos comportamentos. Há muito observo este grande brasileiro Joaquim Barbosa, honesto, dígno, honrado e incorruptível, coisa rara neste país. Parabéns doutor Joaquim Barbosa, que Deus o abençoe

    geraldo aguiar em 10/10/2012 as 19:36

    Escreva

    O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

    Você também pode nos ajudar a moderar comentários considerados ofensivos, difamatórios, impróprios e/ou que contenham palavras de baixo calão: para isso, envie um e-mail para denuncie@tribunahoje.com.

    Digite o código abaixo para enviar seu comentário.