'Me respeita! É meu filho', pede mãe de Chorão no velório do cantor - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas
  • Alagoas, de 2014
Brasil

'Me respeita! É meu filho', pede mãe de Chorão no velório do cantor

Uol 07 Março de 2013 - 13:25

Nilda Abrão, mãe do cantor e compositor Alexandre Magno Abrão, o Chorão, protestou na tarde desta quinta-feira (7) contra a tentativa de jornalistas de entrevistá-la durante o velório do filho, que acontece em Santos. "Me respeita, me respeita! É meu filho", gritou ela em frente ao ginásio Arena. O cantor foi encontrado morto na madrugada de quarta em seu apartamento, em São Paulo.

A mãe do líder do Charlie Brown Jr sofreu um AVC (acidente vascular cerebral) recentemente, e por isso chegou a ser poupada por horas da notícia da morte do filho. Os familiares temiam que Nilda pudesse ter reações inesperadas. 

A apresentadora Sonia Abrão, prima de Chorão, disse ao UOL que a mãe do músico está inconformada e ainda não acredita na morte do filho. "Ela diz que está doendo muito e que, se Deus queria testá-la, não precisava disso porque ela já passou por muita coisa na vida. Depois, ela volta a dizer que não acredita. Ela oscila muito. Ela está sedada, medicada", contou a apresentadora. 
 
Sônia Abrão ainda comentou as desavenças envolvendo os familiares do músico e a ex-mulher de Chorão, Graziela Gonçalves. "Os ânimos estão bem alterados", disse. Ela acredita que Graziela não tem culpa pela morte do músico, como acusam outros familiares. "Claro que ela não tem culpa, mas quando a consequência da relação é isso [a morte], tendemos a apontar o dedo para o pivô".
 
Sonia Abrão falou que a última vez que viu Chorão foi no velório do pai dela, há seis meses. "Ele disse que se sentia sozinho, mesmo cantando para multidões", lembrou ela.
 
Morte
Chorão foi encontrado morto na madrugada de quarta (6) em seu apartamento, que fica no oitavo andar de um prédio no bairro de Pinheiros, em São Paulo.

As circunstâncias da morte estão sob investigação do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa). Segundo o delegado Itagiba Franco, da Polícia Divisionária do DHPP, o motorista e o segurança do músico chamaram o Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) por volta das 4h30.

A equipe de socorro encontrou o corpo do músico de bruços no chão da cozinha, com as mãos machucadas e já sem vida, sozinho em casa. O apartamento estava revirado, sujo e havia bastante vestígio de sangue. Bebidas e pó branco também foram encontrados no local, mas o delegado não confirmou se era droga.

Em imagens feitas durante a perícia da Polícia no apartamento de Chorão, às quais o UOL teve acesso, o corpo do músico estava cercado por lascas que aparentam ser parte do enchimento de um saco de pancadas de boxe.

A lateral do abdome do corpo apresentava hematomas, e metade do rosto estava machucada e coberta por sangue. O dedo mínimo da mão direita também aparentava estar quebrado. No balcão da cozinha, próximo ao corpo, havia uma pequena quantidade de pó branco em cima de um catálogo de filme pornô, ao lado de um canudo feito com uma folha de cheque.

O exame toxicológico, que vai apontar evidências de cocaína ou outras substâncias no corpo de Chorão, será divulgado em duas semanas. Itagiba revelou ainda que foram encontrados, na casa, frascos do ansiolítico Lexotan e uma pasta de dentes usada para adormecer a gengiva --Chorão costumava morder a boca quando estava ansioso.

De acordo com Itagiba, Chorão estava morto desde, pelo menos, o meio-dia de terça-feira. O delegado contou que, na última semana, Chorão se hospedou em quatro hotéis diferentes da capital paulista. Na última hospedagem, ele se desentendeu com funcionários do local.

O delegado afirmou ainda que Chorão acreditava que estava sendo perseguido. "Ele chegava em casa quebrando tudo, por isso a bagunça [no apartamento]".

Para o delegado, a hipótese de suicídio deve ser descartada. "Chorão tinha planos, não tinha esse perfil", contou o delegado. Ele acredita que o caso foi uma fatalidade e relacionar com overdose de drogas, neste momento, também seria "leviano".

De acordo com uma amiga da família de Chorão, ele vivia uma "forte recaída" no vício em cocaína e teria se negado a procurar tratamento contra a dependência. Segundo a fonte ouvida pelo UOL, o cantor era viciado em cocaína há anos e intercalava períodos de sobriedade com recaídas.

Comentários


  • Seja o primeiro a comentar.

    Escreva

    O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

    Você também pode nos ajudar a moderar comentários considerados ofensivos, difamatórios, impróprios e/ou que contenham palavras de baixo calão: para isso, envie um e-mail para denuncie@tribunahoje.com.

    Digite o código abaixo para enviar seu comentário.