Jovem algemado é morto dentro de viatura da PM em Goiás - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas
  • Alagoas, de 2014
Brasil

Jovem algemado é morto dentro de viatura da PM em Goiás

Policiais dizem que tiveram 'que se defender'; pai contesta versão

G1 26 Março de 2013 - 23:39

Foto: Reprodução

Policiais afirmam que Augusto Sérgio conseguiu pegar uma arma antes de ser morto

Policiais afirmam que Augusto Sérgio conseguiu pegar uma arma antes de ser morto

Parentes e amigos querem entender como Augusto Sérgio Alves da Silva, de 21 anos, foi morto dentro de um carro da Polícia Militar, onde ele estava detido e algemado, em Santa Helena de Goiás, no sudoeste do estado.

De acordo com testemunhas, o jovem estava armado e teria feito ameaças a outro rapaz, com quem teve um desentendimento. A polícia foi chamada e Augusto Sérgio acabou detido. Ele estava sendo conduzido para a delegacia da cidade e, no veículo, apenas um policial fazia a escolta.

O carro da polícia estava estacionado em frente a um bar, na periferia de Santa Helena de Goiás. Na versão do PM, o suspeito, mesmo algemado com as mãos para trás, conseguiu pegar a espingarda no banco traseiro do veículo. Na tentativa de retirar a arma dele, os dois entraram em confronto e a arma disparou um tiro, que atingiu o rosto do jovem.

Para a família, há várias dúvidas sobre o caso que precisam ser esclarecidas. O pai da vítima, Sérgio Alves da Silva, acha improvável o filho ter conseguido pegar a espingarda. “Uma pessoa algemada, com as mãos para trás, conseguiria pegar uma arma no banco de uma viatura e entrar em atrito com um policial?", questiona. 

Para ele, houve negligência do policial na hora de prestar socorro: "Por que eles não pediram primeiros socorros, que no caso seriam Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] e Corpo de Bombeiros? Eles mesmos deslocaram meu filho até o hospital".

Investigação

Por enquanto, o crime é tratado pela Polícia Civil como homicídio culposo, quando não há a intenção de matar. O delegado que cuida da investigação, Carlos Roberto Batista, quer saber se o ferimento é compatível com a munição usada na arma de fabricação caseira. Para isso, ele aguarda os resultados das perícias da espingarda, do carro da polícia e o laudo do Instituto Médico Legal (IML).

“Ainda temos que aguardar o resultado da perícia, mas os vestígios, a meu ver, indicam que o disparo realmente veio dessa arma caseira. Porque tinha pólvora, pedaço de jornal e pedaços de esferas de chumbo dentro da viatura, o que indica que foi uma arma de fabricação caseira", explica o delegado.

O Comando Regional da Polícia Militar informou que abriu uma sindicância para investigar o caso. No entanto, o policial militar envolvido não foi afastado do trabalho.

Comentários


  • Se ele estava com as mãos algemas para trás, como entrou n confronto com policial,e mesmo que tivesse entrado em confronto com uma arma presa nas mãos algemadas para trás e o policial tentasse tirar a arma o tiro seria na parte de trás do rapaz e não no rosto. Acredito que o tiro nem acertaria o rapaz pois a espingarda não consegue fazer uma volta de 180 graus.

    Sofia em 27/03/2013 as 21:34

    E vocês queria que fosse baleado o Policial ? Quem foi preso é porque fez coisa errada.

    Alagoano em 27/03/2013 as 16:04

    os mágicos da polícia (e eu achava isso só acontecia com a polícia daqui, rs). gostaria de saber como alguém algemado com as mãos pra trás puxa uma espingarda e atira no próprio rosto, rs... só sendo mágica, rs.

    joão-al em 27/03/2013 as 15:53

    Escreva

    O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

    Você também pode nos ajudar a moderar comentários considerados ofensivos, difamatórios, impróprios e/ou que contenham palavras de baixo calão: para isso, envie um e-mail para denuncie@tribunahoje.com.

    Digite o código abaixo para enviar seu comentário.