Michael Jackson estava quase cego e tinha problemas para urinar - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas
  • Alagoas, de 2014
Entretenimento

Michael Jackson estava quase cego e tinha problemas para urinar

No julgamento do médico Conrad Murray foi revelado que o cantor não se alimentava e se sentia fraco depois de ir ao dermatolgista

Ego 12 Outubro de 2011 - 14:56

Foto: Ego

O corpo de Michael Jackson

O corpo de Michael Jackson

Michael Jackson estava quase cego, comia mal e tinha problemas urinários, chegando mesmo a molhar a roupa, segundo informações divulgadas nesta terça-feira em Los Angeles, durante o julgamento do médico Conrad Murray, acusado do homicídio do cantor. 
Durante o julgamento, Murray disse ter percebido que MJ tinha outros médicos que lhe receitavam remédios. Um deles era o dermatologista Arnold Klein, de Beverly Hills. "A equipe do show de Michael disse-me que seu pior dia no palco era quando ele ia ao consultório do doutor Klein, o que ocorria aproximadamente três vezes por semana", disse Murray.

Também foi revelada uma afirmação do acusado aos policiais, dois dias depois da morte de Michael, segundo o jornal "Diário de Notícias", de Lisboa, sobre as sessões de MJ no dermatologista. "Quando voltava, estava basicamente esgotado e demorava 24 horas para recuperar", disse Murray. "A visão dele estava muito, muito ruim. Portanto, calculei que podia ser legalmente cego", continuou o médico, acrescentando que o rei da pop usava uma lupa para ler. 

Ele ainda afirmou que Michael tinha problemas para urinar. "No decurso dos últimos meses, ele explicou-me que quando ia ao banheiro, levava horas para urinar", contou Murray à polícia. "Na verdade, ele urinava-se. As pessoas o deixavam lá (no banheiro), voltavam e ele ainda não tinha conseguido", emendou. 

Murray descreveu ainda que tratou Jackson por desidratação e fadiga em momentos diferentes, explicando que o cantor não se alimentava muito bem. "Ele não bebia, nem comia. Dizia que durante toda a vida a mãe teve de obrigá-lo a comer quando criança. Ele não gostava de alimentos, e o que comia, quando comia, eram, na maior parte das vezes, frango e arroz", explicou Murray. 

O médico é acusado de homicídio por ter supostamente dado a Jackson uma overdose do sedativo Propofol. Os seus advogados defendem que Michael Jackson se auto-medicou a dose fatal. O julgamento terá cinco semanas, devendo ser concluído no final de outurbo - podendo colocar Murray por quatro anoas atrás das gades.

Comentários


  • Seja o primeiro a comentar.

    Escreva

    O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

    Você também pode nos ajudar a moderar comentários considerados ofensivos, difamatórios, impróprios e/ou que contenham palavras de baixo calão: para isso, envie um e-mail para denuncie@tribunahoje.com.

    Digite o código abaixo para enviar seu comentário.