Pleno do STJD nega recurso, mantém resultado, e Vasco vai jogar a Série B - Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas Tribuna Hoje - O portal de notícias que mais cresce em Alagoas
  • Alagoas, de 2014
Esporte

Pleno do STJD nega recurso, mantém resultado, e Vasco vai jogar a Série B

Decisão em julgamento faz coro com o presidente do órgão, que indeferira pedido de impugnação do jogo contra Atlético-PR, por conta da briga entre torcidas, duas vezes

globo.com 27 Dezembro de 2013 - 16:17
Roberto Dinamite acompanha o julgamento em que o Vasco saiu derrotado no STJD (Foto: Wilton Junior/Agência Estado)

Roberto Dinamite acompanha o julgamento em que o Vasco saiu derrotado no STJD (Foto: Wilton Junior/Agência Estado)

O Vasco perdeu no tribunal, nesta sexta-feira, sua chance de tentar impugnar o resultado da partida contra o Atlético-PR (5 a 1), no dia 8 de dezembro, e assim não levou os três pontos que o salvariam do rebaixamento à Série B do Brasileirão. O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) até acatou o pedido e permitiu que houvesse o julgamento de imediato, mas o recurso foi rejeitado por unanimidade de votos. Antes, o presidente do órgão, Flávio Zveiter, havia indeferido a ação por não ver base na mesma.

A decisão saiu depois de horas de julgamento dos outros casos, que confirmaram o rebaixamento da Portuguesa, livrando o Fluminense, e sustentou a perda dos pontos pelo Flamengo, que permanece na Série A. Ambos foram punidos por escalação de jogadores suspensos. Caso o Vasco obtivesse êxito, seria substituído no Z-4 justamente pelo rival rubro-negro.

- Acredito que o Vasco foi a vítima, e a vítima está sendo julgada, não tem direito de defesa e está indo para a Segunda Divisão, fato que é muito ruim para o clube. Agora vamos conversar com os nossos advogados, ver e buscar fazer o nosso melhor para permanecer na Primeira Divisão - afirmou o presidente do Vasco, Roberto Dinamite, sem deixar claro se se referia a recorrer à Justiça comum.

A alegação era que o Furacão, como mandante do confronto, tinha a responsabilidade de garantir a segurança e não o teria feito. Não havia policiais militares na arquibancada, o que facilitou a briga entre torcedores dos dois times. A defesa, comandada pela advogada Luciana Lopes, ressaltou que os atleticanos originaram o grave incidente, que interrompeu a partida por 73 minutos, com a operação de socorro aos feridos e a devida separação do público. O regulamento da CBF recomenda que o árbitro opte pela suspensão da partida diante da falta de condições depois de ultrapassados 60 minutos.

O julgamento começou com a leitura do processo protocolado pelo Vasco pelo auditor-relator Ronaldo Botelho Piacente. Em seguida, o presidente Flávio Zveiter passou a palavra a Luciana Lopes ao não receber objeções dos presentes para que houvesse as argumentações. A advogada usou a tese de que a parte psicológica dos atletas estava afetada por causa do ocorrido e, principalmente, de que a Arena Joinville não poderia abrigar o jogo, já que "nem mesmo extintor possuía" e "não havia área de escape para os torcedores". Ela também citou que a torcida do Furacão proibiu a presença de mulheres e crianças, prevendo um confronto.

O procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, não concordou com a ação vascaína e, em seguida, enfatizou que o árbitro mineiro Ricardo Marques Ribeiro foi absolvido no plenário, no dia 13, e sequer houve recurso contra isto. Ele afirmou que talvez o jogo não devesse ter se iniciado, mas o reinício foi correto. O advogado do Furacão, Domingos Moro, disse que não havia amparo jurídico para a tentativa e ressaltou que a partida, disputada até o fim, acabou 5 a 1, e o adversário buscava a inversão do placar para 0 a 3, algo, em sua visão, sem cabimento.

Em seguida, um a um, os relatores mantiveram a posição de Zveiter ao apontar como improcedente a solicitação do Vasco. O primeiro a votar foi o leitor do processo, Ronaldo Botelho Piacente, que se baseou em documentos e relatórios provenientes do julgamentos dos mandos de campo, da polícia e dos autos do processo. Foi possível notar que Roberto Dinamite balançava a cabeça negativamente à medida em que as frases eram proferidas. Ele estava ao lado do vice geral, Antônio Peralta, e recebeu reverência dos auditores presentes.

Os recursos de Vasco e Atlético-PR a respeito das perdas de mando de campo (oito e 12, respectivamente) e das multas (R$ 80 mil e R$ 140 mil), por causa das brigas, serão julgados apenas em janeiro, em dia ainda não determinado.

Comentários


  • Seja o primeiro a comentar.

    Escreva

    O Tribuna Hoje coloca este espaço à disposição de todos que queiram opinar ou discutir sobre os assuntos que tratam nossas matérias. Partilhe suas opiniões de forma responsável e educada e respeite a opinião dos demais.

    Você também pode nos ajudar a moderar comentários considerados ofensivos, difamatórios, impróprios e/ou que contenham palavras de baixo calão: para isso, envie um e-mail para denuncie@tribunahoje.com.

    Digite o código abaixo para enviar seu comentário.